Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2017

Os invisíveis

Imagem
A rua sempre foi pública. Talvez, no passado, ela tenha sido até mais pública que nos dias de hoje. E por aquelas vias circularam dezenas de diferentes sujeitos. Pedintes, vendedores ambulantes, artistas de circo anunciando estreia, homens vendendo a salvação. 
Um desses “comerciantes da salvação” era de um grupo de moços, vestidos com seus terninhos, todos com o cabelo raspado e pedia para entrar nas nossas casas, benzendo-as com a imagem de uma das Nossas Senhoras. Além da imagem que carregavam, os acompanhavam umas bandeirolas vermelhas bordadas com a figura de um leão. E bem ao gosto medieval. Garantia-se assim, que a pátria brasileira não seria importunada pelo comunismo.
Outros tipos perambulavam e batiam palmas de casa em casa, anunciando suas presenças. Um deles eram mulheres com crianças no colo, apresentando-se maltrapilhas, quase todas com uma ferida exposta numa das suas pernas e esmolando uma “ajudinha pelo amor de Deus”. 
De todos que circularam por aquela pública cidade…

Os segredos dos construtores

Imagem
Um vídeo caseiro, desses que nós fazemos para registrar situações curiosas e inspiradoras do nosso cotidiano, circula pela rede social Facebook. Nele, um pai reboca uma casa e o enfoque dado é para o seu filho, um garoto entre oito a dez anos de idade, chapando massa na parede. Além de ajudar o pai no trabalho o menino também está começando a aprender um ofício. 
Meu pai foi pedreiro. Aprendeu a atividade com Domingos Ciotto e seus irmãos Ourides, Raul e Velasco, os construtores da casa dos meus avós Vitaliano e Ermelinda, na Rua Ângelo Capovilla, no início da década de 50. Saídos do mundo rural para a vida urbana, meu avô percebeu ali a oportunidade para o seu filho mais velho capacitar-se numa profissão, sem se submeter a um patrão. Qualificou-se no exercício do fazer e construiu dezenas de casas proletárias na periferia valinhense nas décadas de 50 e 60. Em 1967 abandou essa profissão ao ser tragado pela fábrica, afinal, seus filhos cresciam e precisavam de assistência médica e odo…

Cheiro da nova estação

Imagem
E lá veio dezembro para dar fim nesse ano de 2016. Conturbado e mais cheio de baixos que altos nessa nossa nação brasileira. Costumeiramente, salvo alguns deslizes, um mês para estampar a esperança no novo que se aproxima. 
Mas a surpresa nos reservou um aborto vindo do céu, e a tragédia se fez coletiva. O aborto também nos surpreendeu quando o ferreiro das palavras despediu-se da têmpera poética. 
Ídolos da massa, massificada por um sentimento de dor coletiva, vimos a esperança depositada numa juventude do nosso país esvair-se na imbecilidade de sujeitos preocupados com o acumulo de “la plata”, quando deveriam terem sido cingidos pelo respeito, tal qual desejou Viracocha Pachacaiachi*. 
As madrugadas, outrora inspiração dos poetas e boêmios, agora usurpados da criação, das belezas contidas nas melodias que encantaram gerações, e transformadas na condição sorrateira das maldades por maldosos. Sujeitos, que em tese, deveriam ser portadores da ética e construtores dos fios condutores de…

Além do figo roxo

Imagem
Acordei numa manhã de chuva fina, tragado por uma obra do artista Marcos Guimarães, que emoldura a Câmara Municipal valinhense. Descobri que o Olimpo é mais perto do que sempre imaginei. Assistia a uma partida de xadrez de lances estranhos, sem muito estudo, desse ou daquele outro deus. A partida entediava e do Olimpo descobri a polis lá embaixo, habitada por alguns semideuses e milhares de mortais. Passo a investigá-la. No horizonte avistei enormes plantações de cana de açúcar e muitos negros trabalhando sob um sol escaldante e chibatadas que por vezes feriam um ou outro. Vejo o feitor, homem embrutecido que avança sobre uma criança, seu pai abandona o árduo trabalho e trava luta com o feitor, senhor dos castigos e malvadezas. Defendendo sua filha, o negro da uma “piuvada” com a enxada na cabeça do agressor, que tomba inerte. O escravo foge e pega caminho em direção da cidade de São Paulo e ali se entrega ao delegado e após processo é absolvido. Esse caso ficou conhecido, por volta d…

"Repara bem no que não digo" Paulo Leminski

Imagem