Falta gente nessa história

Durante anos ouvimos que a Carta de Pero Vaz de Caminha é a certidão de nascimento do Brasil. E Pedro Alvares Cabral, nosso pai. Assim fomos educados nessas narrativas que deram o tom da nossa história. Personagens “importantes”, datas e seus grandes feitos. E olhando para a escrita da história valinhense encontramos similaridade com essa “grande história nacional” aprendida.

A certidão de nascimento de Valinhos é a Carta de Sesmaria concedida ao sesmeiro Alexandre Simões Vieira, em 1732. E na ausência de um pai biológico e fundador da cidade, e num desses arranjos historiográficos, o imigrante italiano Lino Busatto, ao qual se credita a introdução do “Figo Roxo” em Valinhos, é o nosso pai do coração.

Valinhos (antigo bairro de Campinas), segundo escreveram, teve grande impulso após ser (umbilicalmente) ligada à Jundiaí pelos trilhos da ferrovia, por onde era transportado o café até o Porto de Santos e de lá para o mundo. E que a pujança da produção agrícola cafeeira somente aconteceu após o fim da escravidão e com a presença do imigrante italiano. Sempre importante lembrar, conforme ressalta a professora Roasana Baeninger, que os negros em 1854 representavam 57,7% da população campineira”
Senhor de escravos e negros escravizados. 
Recenseamento realizado em 1822 em Campinas 
na época ainda Vila de São Carlos, o senso acusou 7.369 habitantes, 
assim discriminados: 2.389 brancos, 3.434 pretos e 1.546 pardos.
Campinas era predominantemente negra e com intensa miscigenação. 
(Fonte: promemorianegradecampinas.blogspot.com.br)

Essa forma de historiar Valinhos sugere que nos constituímos enquanto uma coletividade graças à labuta do homem branco, desde que europeu e italiano. Já os trabalhadores negros surgem pontualmente como mão de obra escrava, e depois eles somem da nossa história.

Pesquisando em jornais do século XIX podemos encontrar várias referências a esses trabalhadores negros que viveram nesse lugar chamado Valinhos. Homens, mulheres e crianças que também tiveram a sua história, claro que não podemos reconstruí-las na sua totalidade, mas, a partir de fragmentos de notícias é possível recoloca-los nos seus devidos lugares. 

Em 1872, numa fazenda próxima a Estação Ferroviária de Valinhos, viveu um negro escravo chamado Pio. Cansado de tantas humilhações ele fugiu e o seu proprietário publicou anúncio no jornal “Gazeta de Campinas” descrevendo as características do escravo: mulato de cabelos corridos e quase preto, de altura regular e cheio de corpo, nariz afilado, tendo nas costas um sinal de queimadura (...). Sabe ler e escrever e trabalha um pouco de alfaiate.
"Negra tatuada vendendo cajus" - Jean-Baptiste Debret, 1827

I
mportante observar que em 1872, o índice de analfabetismo no Brasil era de 82,3%. Percebemos um interessante contraste em relação ao negro Pio, que além de saber ler e escrever também desenvolvia a atividade de alfaiate. Ele fazia parte do seleto grupo de quase 18% daquela população brasileira alfabetizada.

Negros que viveram ou passaram por Valinhos, necessariamente não eram escravos, muitos eram homens livres. Como foi o caso do carpinteiro Claudino Gregório Fernandes e do seu sobrinho Gustavo de Paula Vianna. Numa manhã de 1887, após embarcarem em Campinas com destino ao trabalho que Claudino chefiava numa fazenda em Valinhos, a viagem acabou sendo interrompida pelo chefe do destacamento militar daquela cidade, Florismundo Colatino. Escravos eram considerados mercadorias, a polícia atuava na captura desses bens e os devolvia aos seus proprietários, porém, o tal capitão ultrapassara o limite das leis ao tornar todo negro objeto de suspeição. Foram intimados a saírem do vagão, tomados como escravos fugidos. Avisados por passageiros que os dois eram livres, o capitão deixou Claudino seguir o destino, levando Gustavo à cadeia. O diário carioca “O Paíz” pedia providências ao presidente da província de São Paulo contra “estes escandalosos e inúteis vexames”. Cenas que o tempo ainda não apagou na prática cotidiana da nossa história.
Foto da Fazenda Quititi, no Rio de Janeiro, 1865.
Observe o impressionante contraste entre a criança branca com
seu brinquedo e os pequenos escravos descalços aos farrapos
(Georges Leuzinger/Acervo Instituto Moreira Salles).
(Fonte: jornalggn.com.br/blog/antonio-ateu/historia-fotografia-dos-escravos-negros-no-brasil)

O jornal “Diário de Campinas” noticiou em Junho de 1888, um mês após abolição oficial da escravidão, que na fazenda de José de Godoy Lima, no bairro de Valinhos, apareceu uma jovem negra pedindo roupas e trabalho. Dias depois sua ex-dona, a viúva de Prudente Pires Monteiro, apareceu na fazenda exigindo o retorno da jovem negra, ou por bem ou à força. Lembrada que a escravidão não mais existia, a jovem não poderia ser lavada à força. Então, sua ex-dona retrucou que a negra lhe custara dinheiro. O fazendeiro ficou sem reação quanto ao direito da jovem, segundo declarou, “não poderia se colocar contrário a essa violência, por ela vir de uma senhora”. Nesse caso vemos que imperou o respeito à idade daquela que desejava manter a escravidão em detrimento do direito recém-adquirido da jovem negra. A liberdade!

E por que os negros não aparecem na história de Valinhos? Aqueles que se interessarem pela pesquisa da história valinhense atentem-se a recondução ao sol dessa imensa massa de trabalhadores “esquecidos” e relegados à escuridão. Mãos a obra!

_____________
Gérsio Pelegatti é professor da história não aposentada

Comentários

  1. Texto digno de estar nos livros de História.

    ResponderExcluir
  2. Falta muita gente. Esse texto precisava ir para os livros de história. Mas não vai porque existe uma elite que nos pediu para "esquecer o passado". Logicamente o passado que não lhe convém. A Lei 10.639/03 está aí há 14 anos e ninguém nem toca no assunto.No entanto, felizmente ainda temos quem levante a voz. Por um 2018 com mais Gérsio Pellegatti e menos outras figuras asquerosas que povoam as Redes Sociais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Incondicional

À Rua Itália in memoriam

Joga as casas pra lá, joga as casas pra cá, faz caringundum

Enredo de bambas

Cidade invisível