Para elas

Foi paixão imediata. E bem diferente das daquelas ex-alunas que choravam pelo Justin. Quando descobri a poetagem do Belchior num dia em 1976, vi luz no fim daquele longínquo túnel que atravessávamos. Quanto sonhar com aquelas meninas, cabelo ao vento, gente jovem reunida. Ah esse tango argentino...

Só quem viveu aquelas tardes de sábado sabe quantos sonhos projetamos para o futuro. Apesar da nossa pobre poesia valinhense, sabia que um novo sempre vê, e Campinas, aqui ao nosso lado nos oferecia essa efervescência. Noites a fio circulei o setor nessa busca e ali me eduquei. Livros, teatros, exposições, rodas de conversas, artistas de diferentes matizes.
Como fã incondicional do Belchior, comprei, talvez, o melhor lugar do teatro Centro de Convivência e lá fui eu. Um banquinho, voz, violão e uma luz que me fazia viajar. O poeta estava ali.
Fixou seu olhar num ponto da plateia, que lotava de esperança aquela noite, e dedilhou seu violão... "e quanto mais eu multiplico, diminui o meu amor". Num relance de olhar, encontro um conhecido figurão, empresário de sucesso, levantando-se da sua poltrona. Amarrou a cara e buscou com seu olhar uma porta de saída. Sumiu do local.
Até hoje fico imaginando se aquele sujeito fez uma revisão na sua contabilidade. Quem sabe um quanto mais eu divido, adiciono amor.
________________
Gérsio Pelegatti é professor da História não aposentada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Incondicional

Falta gente nessa história

Enredo de bambas

Cidade invisível

À Rua Itália in memoriam

A morte foi uma festa?